Arquivo da categoria: Séries

90210 tem quarto ano irregular

Em 2008, estreou nos Estados Unidos a série 90210, um spinoff de Beverly Hills, sucesso dos anos 90. A nova versão, exibida lá fora pelo canal The CW e aqui pelo Sony Spin, tinha tudo para dar errado. E deu. O principal problema foi a falta de carisma e química do par central, vivido por Shenae Grimes (Annie) e Dustin Milligan (Ethan). Sem um romance forte para ancorar a trama, nem o destaque das atrizes AnnaLyne McCord (Naomi) e Jessica Lowndes (Adrianna) foi capaz de salvar a série de ter uma das piores temporadas de estreia da história.

Ciente de que a trama precisava de uma boa sacudida, o canal contratou uma nova produtora executiva, Rebecca Sinclair, para a segunda temporada. Com experiência na co-produção de Gilmore Girls por três anos, a profissional conseguiu dar um rumo para a série. Os personagens ganharam profundidade, os diálogos ficaram melhores e a história passou a ter ritmo. Corajosamente, a direção eliminou Ethan (que poderia ter tido pelo menos uma despedida) e fez Annie passar por maus bocados para ganhar a simpatia no público. A série chegou ao ápice no terceiro ano, com uma trama madura e uniforme do começo ao fim. Eu arrisco dizer que foi uma das melhores temporadas entre as séries ditas adolescentes. Sem a popularidade de Gossip Girl, exibida pelo mesmo canal lá fora, 90210 conseguiu tornar-se superior à série que traz Serena e Blair como protagonistas.

Com o fim da terceira temporada, terminou também o contrato de Rebecca, e a The CW conseguiu perder aquela que levantou a série. O quarto ano, já em exibição no Sony Spin, teve 12 episódios levados ao ar nos EUA até o momento. A temporada, não há como negar, é inferior ao terceiro ano. Além das histórias perderem conteúdo ao diminuírem o foco nos conflitos internos, abrindo espaço para tramas como contrabando de carros, surgiram também personagens desnecessários, como Holly, rival de Naomi com o cansativo conflito entre patricinhas. Apesar dos problemas, 90210 continua sendo uma boa série dentro do universo adolescente, e com capacidade de agradar adultos também. Atores carismáticos e personagens queridos fazem com que o CEP mais famoso da TV ainda continue digno de ser frequentado.

Onde Assistir: Sony Spin. Toda segunda, às 21h.

Anúncios

Donas de casa chegam para a despedida

Começa hoje (01/11, às 21h), para quem assiste pelo canal pago Sony, o oitavo e último ano da série Desperate Housewives. Com um início muito badalado, e alguns tropeços no meio, o programa soube como poucos misturar drama e comédia na medida certa. Após mistérios que envolviam pessoas vindas de fora, a série neste último ano é focada totalmente nas protagonistas e suas famílias. Quem já assistiu o final da sétima temporada sabe o problemão que elas têm nas mãos, e este suspense fará com que os personagens interajam ainda mais. É uma forma digna encontrada pelos roteiristas para fazer as donas de casa crescerem, cada uma do seu jeito, e encerrar a história da maneira como começou: Bree (Marcia Cross), Susan (Teri Hatcher), Lynette (Felicity Huffman) e Gaby (Eva Longoria) unidas por uma tragédia. São episódios para serem curtidos e não lamentados. A história teve seu auge, todos os personagens foram bem trabalhados, e chegou a hora de um final digno. Com um ano inteiro para as tramas serem encaminhadas, Desperate Housewives terá o desfecho que merece. E ele é não menos que inesquecível.

Volta e comentários

Sei que ando afastado, postando com intervalos longos demais, e sem tempo para comentar nos demais blogs, mas prometo, mais uma vez, tentar mudar isso. Hoje venho com alguns comentários:

macaco-novela-caras-e-bocas

● Até dava tempo de estrear a próxima novela em novembro, mas os bons índices de Caras e Bocas fizeram com que a próxima novela das 19hs tenha tido o início adiado para janeiro de 2010. São 6 meses até lá. Uma novela inteira. Caras e Bocas não é de toda ruim, já vimos coisas piores, mas também não é nenhuma pérola da teledramaturgia. É uma novela correta, mas que de jeito nenhum tem trama para todo esse tempo. Resultado: deve vir muito personagem novo por aí. Essa semana já tivemos a entrada da personagem da Guilhermina Guinle e do Denis Pacheco, isso sem contar com a volta do Ary Fontoura como Jacques. Tudo bem que Walcyr Carrasco já está acostumado a esticar suas tramas, mas tanto tempo assim já é forçar a barra, e vai acabar prejudicando uma trama que já não é grande coisa.

george● Agora que o episodio final de Grey’s Anatomy já foi oficialmente ao ar no Brasil, e que a não renovação de T.R. Knight, e a conseqüente saída de George, foi confirmada, gostaria de fazer algumas considerações. Por mais que a saída do personagem tenha sido uma vontade do ator, ele certamente merecia mais consideração na última temporada em que participou. Tenho a impressão que Knight expressou sua vontade no inicio da 5º temporada, o que fez a criadora Shonda Rhimes largar seu possível envolvimento com Lexie. Em entrevista após o final da temporada, a roteirista declarou que o pouco tempo de George em cena foi intencional, para que o público não sentisse sua falta na season finale e não desconfiasse que ela era o acidentado. Papo furado. Shonda, brilhante na condução de suas tramas, deveria ter tido mais consideração por uma personagem que já foi tão querido, e um dos protagonistas da história. Faltou generosidade. A primeira coisa que um roteirista tem que saber é que a criatura às vezes fica maior que o criador.

● Tiago Santiago foi para o SBT. Notícia inesperada, mas muito boa, já que mostra que Silvio Santos quer investir na teledramaturgia do canal. Só espero que ele agora leve o projeto adiante, e não tenha mais um de seus surtos. Tiago é esforçado e tem boa visão do que agrada. Será ótimo ter mais uma emissora ganhando força na área das telenovelas. Há concorrência, e não existe nada melhor do que isso.

A hora certa de dizer adeus

weeds4

Quando Nancy Botwin ficou viúva, e começou a vender maconha para sustentar os filhos, os comentários foram muitos. A trama de Weeds deu o que falar. Merecidamente. Com uma história original, interpretações mais do que corretas, e tiradas fantásticas, a série teve um início promissor. Atualmente em sua 5º temporada, é triste constatar que a história já passou da hora de chegar ao fim. O ápice da saga de Nancy aconteceu no final da 2º temporada, quando, acuada por vários traficantes, ela teve que suar para dar um jeito de sair da enrascada em que havia se metido. Pretendendo mudar a série de ares, a partir do 4º ano os personagens foram deslocados para uma cidadezinha na fronteira com o México, e foi aí que a coisa começou a desandar. Com alguns bons momentos, a história ficou longe de ser o que já fora um dia. Corre por aí que Mary Louise Parker não quer renovar para uma 6º temporada, e faz bem caso isso se confirme. É preciso saber a hora de terminar. Outra série que sofreu do mesmo mal foi The L Word. A trama poderia ter sido perfeitamente encerrada no 5º ano. Havia tempo hábil pra isso, eliminando o desnecessário mistério em torno da morte de Jenny e seu envolvimento com Shane, tramas da fraca 6º temporada. Prevista para durar 7 anos, Desperate Housewives pode chegar a 9. O criador da série, Marc Cherry já demonstrou disposição para que isso aconteça. Perigoso. A história já sofre desgastes, e muitas vezes é melhor durar menos, mas encerrar em um bom momento, ficando, assim, na memória dos telespectadores. Definitivamente é preciso saber a hora certa de terminar, mesmo que a despedida seja dolorosa.

Trinca de Ouro

as 3

Com uma das melhores temporadas exibidas até o momento em 2009, Big Love se concretiza como uma das séries mais interessantes da atualidade. O mérito, além da história bem amarrada, acontece pela interpretação ímpar do trio feminino de protagonistas:

Ginnifer Goodwin
GINNIFERRR
Nasceu no dia 22 de maio de 1978 no Memphis, Tennessee, EUA.
É tida como uma das grandes apostas de Hollywood para os próximos anos. Em Big Love, interpreta a doce e espontânea Margene, que tem amadurecido ao longo dos anos. No cinema, teve grande destaque em Ele não está tão afim de você.

Chloë Sevigny
CLOEEEE
Nasceu no dia 18 de novembro de 1974, em Darien, Connecticut, EUA.
Chloë interpreta a temperamental e esquisita Nicky, a mais “crente” das três mulheres. Construiu sua carreira com uma série de filmes independentes, sempre muito elogiada pela crítica. Recebeu indicações ao Oscar e ao Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante por sua participação no drama Meninos Não Choram. É bastante ligada à moda, já trabalhou como consultora de uma importante grife de Nova York e faz muitos trabalhos como modelo.

Jeanne Tripplehorn
JEANNEEEE
Nasceu no dia 10 de junho de 1963, em Tulsa, Oklahoma, EUA.
Interpreta a esposa mais antiga, e a mais contida também. Barb está sempre tentando contemporizar, arrancando uma interpretação belíssima de Jeanne. A atriz já foi DJ e apresentadora, e já namorou o ator Ben Stiller. Atualmente é casada e tem um filho de 7 anos.

bettygy6● Apesar dos percalços enfrentados, vale registrar que a 3º temporada de Ugly Betty terminou melhor do que começou. Inicialmente perdida em episódios que traziam fatos isolados, a série acabou deixando a disputa pela Mode um pouco de lado, ficando menos interessante. Percebendo o rumo que a coisa estava tomando, os produtores resolveram colocar a história na linha, e parece que pretendem devolver o cargo de vilã a Wilhelmina. Com a morte de Molly, e o término do namoro de Betty (ela só arruma mala!), o caminho pode estar aberto para um romance entre o chefe e sua secretária, como aconteceu em todas as outras versões da história, embora eu ache que nesse caso o feito seja praticamente impossível. Betty e Daniel desenvolveram uma relação fraternal, são quase irmãos. A jornada profissional na feia finalmente avançou e ela foi promovida, já estava mais do que na hora, até porque a série pode ter pouco chão pela frente. O programa, com audiência em queda, foi transferido para as noites de sexta-feira, o pior dia da TV americana. Se Betty conseguir voltar ao trilho, pode ainda ter muito caminho a seguir.

● Atrasos
Ainda estou no 6º episódio na 3º temporada de Big Love, mas uma coisa é certa: é a melhor temporada da série, infinitamente superior à anterior. A trama deixou de lado toda aquela complicação da comunidade, que teve muito destaque no 2º ano, e vem apostando nas relações familiares, que é o ponto alto da história.

Ainda não tive tempo, e boa vontade, para assistir os episódios extras de Prison Break, principalmente porque são extremamente desnecessários, mas verei porque acompanhei a história inteira.

● Falando em coisas desnecessárias… Será que a Rede Globo não tem mais reality show para inventar? Jogo Duro, que estreou no domingo depois do Fantástico, é um balaio do pior que já foi exibido nesse tipo de programa.

0,,14750811,00● Glória Perez, especialista em lidar com muitos personagens em diversos núcleos, em Caminho das Índias parece ter errado um pouco na mão. Alguns personagens fazem figuração e se perderam na história. Cissa Guimarães e Neuza Borges, por exemplo, aparecem vez ou outra, e o pior é que nem fazem diferença.

george-izzie-greys1● Encerradas as temporadas, temos que fazer justiça com a belíssima season finale de Grey’s Anatomy. Depois de um início irregular, a série conseguiu dar a volta por cima e fechar o 5º ano com chave de ouro. Aproveitando os boatos de que Katherine Heigl e TR Knight desejavam sair da trama, a criadora deixou o destino dos 2 personagens em aberto. São cada vez mais fortes os rumores de que George deixará a história por causa da insatisfação do ator com seu personagem, e foi visível a pouca participação dele nesta temporada. Qualquer um deles, ou os 2, deixarão um buraco, já que fazem parte do elenco principal e da turma que chegou junto ao hospital. Aliás, acho muito difícil que os 2 morram. Ficaria mito pesada até para uma história dramática como Grey’s Anatomy. Além dessa provável baixa, o 6º ano de Grey’s começa com outra dificuldade: a gravidez de Ellen Pompeo, a Meredith. Até a alguns dias atrás, a roteirista Sonda Rhimes ainda não sabia o que fazer. Agora é torcer para que os obstáculos façam a trama crescer, e que o 6º ano em nada lembre os episódios vazios que iniciaram o 5º. Ah, e seja lá qual for o destino de Izzie, que Denny descanse em paz de uma vez por todas.

● Embora a passagem de 5 anos tenha feito muito bem para Desperate Housewives, o criador Marc Cherry não soube segurar a peteca. Com um dos mistérios mais óbvios de todas as temporadas (a vingança de Dave), a história foi perdendo força e quase definhou nos episódios finais.
Um grande mal da série é lançar alguns temas no ar, começar a desenvolver a história e depois não levar adiante. É difícil prever o que vem por aí, já que nenhum gancho muito interessante foi deixado para a próxima temporada. A única certeza é de que Desperate precisa de tramas fortes, mistérios instigantes e uma reviravolta.
Da temporada que terminou, o destaque vai para o 100º episódio e para aquele em que Eddie se foi. Dentre as Desperates, o destaque absoluto vai para Gaby, dona das melhores histórias e da melhor risada.

a fazenda● A Fazenda começou mostrando que mistério não existe mesmo em se tratando de televisão. Os participantes do programa, que a Rede Record fez tanta questão de manter em sigilo, eram mesmo os da lista exaustivamente divulgada.
O primeiro programa exagerou nas apresentações de praxe e acabou se tornando cansativo, o que foi muito bom para a Rede Globo, que saiu vitoriosa na audiência.

● Depois de um começo sofrível, 90210 encerrou seu primeiro ano mostrando que nem tudo está perdido. A história ainda tem muito a melhorar, mas a comparação do 1º com o último episódio da temporada mostra que as coisas já evoluíram um pouco.
Os roteiristas parecem ter percebido que Annie não estava agradando e tudo indica que devem investir em uma versão mais rebelde da garota. A irmã de Naomi também foi uma boa pedida.
Ethan vai deixar a história, mas nada foi resolvido nesse sentido. Ele bem que podia levar Dixon, um personagem sem sal que só gasta tempo na tela à toa. Com participação inicialmente tímida, Adriana conseguiu espaço e terminou a temporada como uma grande personagem, embora esteja mais calma do que no começo. O que prejudica 90210 é que muitos personagens prometem momentos de rebeldia, mas acabam sempre bonzinhos.
A 2º temporada será importantíssima para a série. A audiência do 1º ano não foi das melhores, e o canal CW resolveu dar uma chance à série. Resta ver se ela saberá se reinventar.

● Coisa de novela. Tem sempre um médico que aparece para salvar uma criança e acaba conquistando a mãe dela…
diretomurilo2_210509